Logo ENXOVAL BABIES ENXOVAL BABIES
Outras

20 Livros infantis com personagens negros para promover a igualdade e representatividade racial

06 04, 2020 | Outras
livros infantis com personagens negros

Assim como eu , você também deve ter crescido com livros repletos de personagens brancos. mas nao somos as unicas pessoas.

A maioria das crianças crescem lendo e escutando historias somente com personagens brancos. Mas a igualdade e o nao preconceito devem ser estimulados em todas as crianças com historias e livros que representam personagens de todas as raças.

Ter livros com personagens asiaticos, negros, brancos e indigenas é muito importante para que nossas crianças possam se identificar com quem elas quiserem.

isto também é valido para personagens em brinquedos, como bonecas e bonecos, barbies etc.. Mas isto ficara para um proximo post.

Vamos a nossa selaçao de livros infantis faceis de encontrar no Brasil.

“Menina Bonita do Laço de Fita” de Ana Maria Machado

Menina bonita do laço de fita - Livros na Amazon Brasil- 9788508147595

Um clássico da literatura infantil, o livro teve sua primeira publicação em 1986 e até hoje é muito usado para atividades pedagógicas de conscientização racial.

Uma linda menina negra desperta a admiração de um coelho branco, que deseja ter uma filha tão pretinha quanto ela. Cada vez que ele lhe pergunta qual o segredo de sua cor, ela inventa uma história. O coelho segue todos os “conselhos” da menina, mas continua branco.

“O cabelo de Lelê” de Valéria Belém

Lelê não gosta do que vê. “De onde vêm tantos cachinhos?” ela vive a se perguntar. E essa resposta ela encontra num livro em que descobre sua história e a beleza da herança africana.[

O livro conta a história de uma menina que não aceita o seu cabelo crespo. Até que encontra um livro sobre países africanos e se vê representada em outras meninas de cabelo igualmente crespo.

Ao descobrir sua herança étnica, a personagem Lelê passa a se aceitar e a usar novos penteados, igual aos das meninas que viu no livro.

“Maju não vai à festa” de Mônica Pimentel

Maju Não Vai À Festa (Portuguese Edition) eBook: Pimentel, Mônica ...

A Maju é uma princesa que é convidada por outra princesa para uma festa, com a condição de tirar seus cachos.

Clarice, a outra princesa, é branca e possui cabelos lisos e exige que todos de seu reino tenham cabelos iguais ao seu. Porém, Maju se recusa a ir à festa por entender que o seu cabelo também precisa ser aceito!

“Que cor é a minha cor?” de Martha Rodrigues

O livro celebra a miscigenação do povo brasileiro e as diferentes cores de pele que surgiram com isso. 

Griot é o contador de histórias africano que passa a tradição dos antepassados de geração em geração. O objetivo dessa coleção é trabalhar a identidade afrodescendente na imaginação infantil. E é justamente à imaginação que esses livros falam a partir de uma composição sensível, de textos curtos e poéticos, associados a belas ilustrações. Modo lúdico de reforçar a autoestima da criança a partir da valorização de seus antepassados, de sua cultura e de sua cor.

Na história, uma menina procura cores na natureza que parecem com a sua e percebe a vantagem da riqueza das diferentes cores, inclusive a sua!

“Um colo para Aiazinha” de Salizete Soares

Um Colo Para Aiazinha - R$ 38,00 em Mercado Livre

O livro se passa na época da escravidão e conta sobre uma escrava que era babá da criança – apelidada de Aiazinha – da casa em que servia.

Livro Um Colo Para Aiazinha - R$ 28,00 em Mercado Livre

A história mostra a relação das duas, gerando reflexões sobre a cultura africana e sobre a troca entre a Aiazinha e sua babá.

“A Cor de Coraline” de Alexandre Rampazo

Cor de Coraline, A: _: 9788562500763: Amazon.com: Books

Quantas cores cabem na pergunta “Me empresta o lápis cor de pele?”. Em A cor de Coraline, o ilustrador, designer gráfico e escritor Alexandre Rampazo passeia pelas inúmeras possibilidades contidas numa caixa de lápis de cor e na imaginação infantil a partir da pergunta de um colega para a pequena Coraline, e mostra que o mundo é mais colorido – e diverso – do que nos acostumamos a pensar. Com texto curto e bem-humorado e ilustrações graciosas, o livro aborda o tema da diversidade de forma lúdica para os pequenos. A quarta-capa é assinada pelo premiado escritor Ignácio de Loyola Brandão.

A personagem Coraline ouve de seu colega Pedrinho uma pergunta difícil: me empresta o lápis cor de pele? Assim, começa as indagações da menina sobre qual seria a cor da pele.

Além da cor negra, uma boa reflexão que o livro traz é sobre as outras possibilidades de representação das mais diferentes etnias.

O livro foi finalista do Prêmio Jabuti 2018 na categoria Infantil e Juvenil. 

“Flávia e o Bolo de Chocolate” de Miriam Leitão

Em meio aos questionamentos da pequena Flávia sobre a sua pele marrom – tão diferente da pele branquinha da mãe –, una premiada jornalista Míriam Leitão aborda temas delicados como adoção e questões raciais de forma sensível e lúdica para os pequenos. Com belas ilustrações de Bruna Assis Brasil, a autora, ganhadora do Prêmio FNLIJ 2014 na categoria Escritor Revelação por seu livro infantil de estreia, A perigosa vida dos passarinhos pequenos, mostra que o mundo é feito de diferentes cores, pessoas e sabores. E que é justamente isso que o torna tão rico. Flávia e o bolo de chocolate é o terceiro livro infantil de Míriam Leitão, autora também de A menina de nome enfeitado.

O livro se passa em meio às questões da personagem de Flávia sobre a sua pele negra – tão diferente da cor branca da pele de sua mãe.

A história aborda temas delicados como adoção e questões raciais de forma sensível e lúdica para os pequenos.

“As Tranças de Bintou” de Sylviane Anna Diouf

As tranças de Bintou é um dos maiores sucessos do catálogo infantojuvenil da Cosac Naify, com mais de 70 mil exemplares vendidos, adquirido pelo governo brasileiro para equipar bibliotecas públicas e adotado em dezenas de escolas de todo o país. A nova edição contém texto de orelha do antropólogo e professor da Unesp Omar Ribeiro Thomaz. A autora Sylviane A. Diouf, estudiosa da cultura e da história da África, nos apresenta Bintou, uma menina negra que não se contenta com seus birotes no cabelo e sonha usar tranças como sua irmã mais velha. A história encanta pela maneira cuidadosa e doce com que trata, a partir de um contexto cultural específico, um momento universal: a passagem da infância para a adolescência. Um livro que nos revela a beleza de cada fase da vida e nos permite repensar o Brasil por meio dos costumes africanos. 

A menina Bintou sonha em ter tranças iguais a de sua irmã mais velha, entretanto pelo costume do seu povo, ela não pode.

O livro é todo ambientado por costumes, tradições e paisagens de origem africana, propício para ser trabalhado a cultura em sala de aula.

“O Amigo do Rei” de Ruth Rocha

No Brasil no tempo da escravidão brancos e negros não podiam ser amigos não. Mas para as crianças quem manda é o coração. E o escravo Matias era amigo de Ioiô seu patrão. Brincavam e brigavam indiferentes a qualquer lei sem saber que um dia um deles ainda seria rei.
As histórias da Série Vou te contar! foram escritas pela Ruth Rocha durante os anos de 1969 a 1981 em várias revistas para crianças que ela dirigiu publicações que faziam um grande sucesso entre os pequenos. São histórias que mostram situações e personagens que valorizam a independência de pensamento e a ousadia: um coelhinho que não queria ser coelho de Páscoa e escolhe outra profissão

O livro retrata a inclusão em um momento em que não havia – a época da escravidão. 

Um menino que se tornaria rei e um menino nascido escravo vivem uma amizade e mostram como as diferenças raciais são construídas com o tempo pela sociedade que vivem.

“Bruna e a Galinha da Angola” de Gercilga d’ Almeida

Primeiro livro infantil a retratar o universo mítico africano representado pela Galinha d´angola e sua relação com a criação do universo de uma forma didática, lúdica e prazerosa

O conto é baseado em uma lenda africana que usa o símbolo da galinha da Angola para contar a história de como a Terra foi criada. 

Uma ótima oportunidade para compartilhar contos que trabalham a ancestralidade, a importância de respeitar as tradições, as diferenças e a cultura do continente africano.

“O Menino Nito” de Sonia Rosa

Amazon.fr - O Menino Nito - Sonia Rosa - Livres

Nito abria um berreiro por tudo e ninguém aguentava mais tanta choradeira. Um dia seu pai o chamou num canto e veio com aquele discurso: “Você é um rapazinho, já está na hora de parar de chorar à toa. E tem mais: homem que é homem não chora.” Essas palavras martelaram na cabeça do Nito.

A autora é conhecido por diversos títulos com a temática da representatividade racial. Neste livro, ela traz a questão sobre meninos poderem chorar ou não. 

Essas são boas questões para trabalhar os sentimentos dos alunos meninos desde pequenos, o que ajuda na autoconfiança na hora do aprendizado em sala de aula.

“Amoras” de Emicida

Companhia das Letras Amoras (Português)

A música escrita pelo cantor Emicida virou livro e a obra – que conta com uma versão animada – reproduz um diálogo que o artista teve com sua primeira filha.

A pequena está olhando uma amoreira com o pai, quando ele fala sobre a beleza das amoras. A partir disso, a menina se reconhece e assimila sua própria identidade.

“Pretinha De Neve e os Sete Gigantes” de Rubem Filho

Pretinha da Neve morava com a mãe e o rei, seu padrasto, no Monte Kilimanjaro (norte da Tanzânia). Um lugar onde caía neve, por isso muito gelado, mais gelado ainda porque a menina vivia sozinha, já que era a única criança no castelo e não tinha amigos para brincar. Um dia, Pretinha se olhou no fundo do tacho de cobre, em que sua mãe fazia os doces que seu padrasto tanto gostava, e perguntou: “Tacho de cobre, existe menina mais solitária do que eu? “. Foi nessa conversa com o tacho de cobre que Pretinha resolveu descer o Monte e conhecer “lá embaixo”, um lugar sem neve e, quem sabe, com crianças morando por lá. Em Pretinha de Neve e os sete gigantes, Rubem Filho reinterpreta o conto de fadas Branca de Neve e o sete anões e o transporta para outro espaço – o continente africano 

Neste livro, o autor reinterpreta o conto de fadas Branca de Neve e o sete anões e o transporta para o continente africano, adaptando os elementos do conto aos hábitos e costumes da região. 

Além disso, a história passa por outros contos de fada, apresentando elementos característicos desses textos (o capuz de Chapeuzinho Vermelho, a casa dos Três Ursos de Cachinhos Dourados).

“Meninas Negras” de Madu Costa 

Meninas negras - 9788571605183 - Livros na Amazon Brasil

Com uma pegada bem lúdica, este livro retrata o imaginário de três meninas, Mariana, Dandara e Luanda, sobre as paisagens dos países africanos.

Livro Meninas Negras ( Madu Costa) - Mundinho da Criança (com ...

Griot é o contador de histórias africano que passa a tradição dos antepassados de geração em geração. O objetivo da Coleção Griot Mirim, que tem entre seus títulos “Meninas negras”, é trabalhar a identidade afrodescendente na imaginação infantil. E é justamente à imaginação que esses livros falam a partir de uma composição sensível, de textos curtos e poéticos, associados a belas ilustrações. Modo lúdico de reforçar a autoestima da criança a partir da valorização de seus antepassados, de sua cultura e de sua cor.

O livro relaciona a identidade das meninas com sua ancestralidade.

“O Pente Penteia” por Olegário Alfredo

Nessas rimas, ficamos com a pulga atrás da orelha com tantas indagações sobre o pente. Da sua lida nas cabeças e os muitos tipos de cabelo. Cabelo embaraçado, cabelo do galã. Será que ele penteia? A lã do carneiro, a juba do leão. O pente penteia? O autor nos indaga sobre o pente e também nos leva a buscar as respostas. O que o pente penteia? Algumas respostas ele nos da?, outras ele nos deixa a pensar. Será que o pente penteia o cabelo do milho? E milho tem cabelo pra pentear!? E o cabelo do índio na aldeia? Existe pente por lá? Pois sim! São tantas perguntas… Nisso, paramos e vemos os detalhes do cotidiano e no mundo ao nosso redor.

O livro usa um ditado antigo e discriminatório para enaltecer todas os diferentes tipos de cabelos e texturas.

É uma ótima chance para rever conceitos e pequenas falas que ainda costumamos ouvir no dia a dia.

SINTO O QUE SINTO” de Lazaro Ramos

“Mesmo para os adultos, lidar com os sentimentos nem sempre é fácil. Isso é o que Dan, personagem principal dessa história, percebe ao longo de seu dia, enfrentando diferentes situações que o fazem ter de encarar uma mistura bastante diversa de sentimentos. E à noite, já em casa e quase pronto para ir dormir, Dan ouve uma história muito especial de seu avô sobre seus ancestrais. O livro de estreia de Lázaro Ramos na Carochinha Editora tem como objetivo ajudar as crianças a entender que é normal sentir raiva, alegria, orgulho, tudo ao mesmo tempo. Aprender a identificar e a nomear tais sentimentos é muito importante para o desenvolvimento emocional do ser humano. Além disso, a obra mostra a importância de se valorizar a nossa ancestralidade.”

O PEQUENO PRÍNCIPE PRETO” por Rodrigo França

“Em um minúsculo planeta, vive o Pequeno Príncipe Preto. Além dele, existe apenas uma árvore Baobá, sua única companheira. Quando chegam as ventanias, o menino viaja por diferentes planetas, espalhando o amor e a empatia. O texto é originalmente uma peça infantil que já rodou o país inteiro. Agora, Rodrigo França traz essa delicada história no formato de conto, presenteando o jovem leitor com uma narrativa que fala da importância de valorizarmos quem somos e de onde viemos – além de nos mostrar a força de termos laços de carinho e afeto. Afinal, como diz o Pequeno Príncipe Preto, juntos e juntas todos ganhamos.”

TANTO, TANTO!” por Trish Cooke

“Uma divertida família se reúne para fazer uma festa-surpresa. Enquanto esperam o aniversariante, todos os parentes querem agarrar e beijar o bebê da casa e brincar com ele.”

BUCALA – A PRINCESA DO QUILOMBO DO CABULA” por Davi Nunes

“Bucala: a pequena princesa do quilombo do cabula conta a história de uma linda princesa quilombola que tem o cabelo crespo em formato de coroa de rainha. Ela possui poderes que protegem o quilombo. Bucala voa no pássaro-preto, cavalga na onça suçuarana, mergulha no reino da rainha das águas doces e aprende toda a sabedoria dos reinos africanos com o sábio ancião bem-preto-de-barbicha-bem-branca.”

SULWE” por Lupita Nyong’o

“Sulwe tem a pele da cor da meia-noite. Ela é mais escura que todos de sua família. Ela é mais escura que todos de sua escola.A Sulwe só queria ser bonita e cheia de luz como sua mãe e sua irmã. Quando ela menos esperava, uma jornada mágica no céu da noite abriu seus olhos e fez com que tudo mudasse.”

Os textos foram do blog BLOG e Amazon

compartilhe!
por Enxoval Babies
Expert em Enxoval de bebê , eu acredito que a lista do enxoval deve ser personalizada priorizando produtos de qualidade e práticos. O Enxoval do bebê deve contar a sua história e a da sua família.
saiba mais:
sobre a consultoria sobre a Ana

deixe seu comentário